quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Tintin e a censura

Gosto muito do Tintim e sei algumas coisas sobre ele. 
Tenho uma biografia do Hergé e dois livros sobre o assunto: o Dicionário de Nomes Próprios e o O Sonho e a Realidade, de Michael Farr. De resto tenho a colecção toda dos livros publicados pela Verbo.
Gostava de ter as edições originais todas (só tenho Os Charutos do Faraó) e, particularmente, a 2.ª edição de A Ilha Negra.
Por aqui se vê o infindável do mundo de Hergé que me falta conhecer.
O desenho acima é o primeiro quadradinho do Tintim na América
Mas existe outro desenho:
Este foi publicado em Portugal em 1956.
Não quero nem posso contar isto; já está contado noutro local e que conta esta diferença na primeira pessoa.
Mas não podia deixar de registar aqui mais uma coisa que fico a saber a respeito deste herói.

2 comentários:

Funes, o memorioso disse...

Muito interessante esta nota. Mas importa estar consciente que esta necessidade de ocultar o politicamente incorrecto não foi um exclusivo do Estado Novo. Hoje mesmo, um bando de cretinos está a editar nos EUA o clássico «Huckleberry Finn», de Mark Twain, omitindo na obra a palavra "nigger" que aparece mais de duzentas vezes no original. Ver aquiaqui

Zé Dias da Silva disse...

A censura (pelo Estado) sempre foi uma ferramenta para usar e não para estar exposta.
O melhor é guardarmos toas as primeiras edições do que tivermos; pelo menos, os originais ficam.