quinta-feira, 3 de março de 2011

Um encontro promissor

Há tempos, falei aqui de A Conspiração Voronov e disse que nele havia uma referência, desta vez histórica, a um acontecimento que se veio a revelar, anos volvidos, de alguma importância.
A referência é esta (pp. 54 e 55): 
 Estamos no dia 6 de Julho de 1957 e o Prof. Mortimer está em Liverpool para falar com uma pessoa. Nesse dia havia festa na paróquia de St. Peter Church e como ele não sabia onde estava o respectivo reitor, perguntou a um rapaz que lá encontrou. Mas este rapaz era de mais longe, de Allerton, e foi um outro que indicou ao Professor onde estava o reitor.
 O prof. Mortimer encontrou o padre a conversar com um rapaz que tocava guitarra num palco:
 
Foi no dito dia que John Lennon e Paul McCartney se encontraram pela primeira vez; a partir daí ficaram amigos e fizeram umas canções juntos durante vários anos.

4 comentários:

Funes, o memorioso disse...

Muito interessante. É fascinante descobrir este tipo de coisas escondidas no meio dos livros, dos filmes ou do que quer que seja. Um dos motivos que tornam a BD portuguesa, de um modo geral, medonha, é precisamente o vício insuportável do didactismo, isto é, a incapacidade de reservar uma surpresa feliz ao leitor. Um autor como José Ruy, por exemplo, se tivesse concebido esta aventura de Blake and Mortimer, não teria resistido à nota de pé de página a explicar que nesse dia John Lennon e Paul McCartney se tinham encontrado, etc., etc., etc.

Zé Dias da Silva disse...

De acordo.
É melhor descobrir as coisas do que ser facilmente guiado até elas.

David Magalhães disse...

Há coisas extremamente curiosas. No dia anterior a ter visto este post, e ao reler o livro, apercebi-me do pormenor: o Prof. Mortimer cruza-se com Paul McCartney e John Lennon, ainda antes da formação dos Beatles.
Dei com este blog, aliás, quando pesquisava na net, tentando ver se outras pessoas também se tinham apercebido da pequena brincadeira dos seguidores de Jacobs.
Já agora, lanço um pequeno desafio sobre outra curiosidade relativa à colecção "Blake & Mortimer", da qual sou um seguidor há largos anos.
No álbum "O Santuário de Gondwana", Mortimer (ou, melhor, Olrik na pele de Mortimer...) reencontra a sua velha paixão de juventude, Sarah Summertown. Na página 14, Sarah informa Mortimer de que casou pouco tempo depois de se terem separado, que está viúva há 2 anos e que tem uma filha, Elisabeth.
Na página 15, ao sair de casa de Sarah, Mortimer encontra uma jovem, que, amavelmente, não deixa que o autocarro parta antes de ele o tomar. Depois de trocarem palavras de cortesia, a jovem envereda pelo caminho que dá para a casa de Sarah Summertown.
Ora, se repararmos com atenção, a moça revela supreendentes semelhanças com Mortimer: cor do cabelo, cor da pele, feições e o perfil.
Não vos parece claro que, sem saber, Mortimer tem uma filha?
Esta também é opinião de um utilizador da Amazon: "Chemin faisant, on fait la connaissance d'une ancienne bonne amie de Mortimer, et le lecteur sagace apprend que Mortimer en a eu une fille, ce quelui ne le sait pas... A suivre. Suspens ! " (http://www.amazon.fr/review/R2WR2E3CPOO74R/ref=cm_cr_dp_cmt?ie=UTF8&ASIN=2870970870&nodeID=301061&tag=&linkCode=#wasThisHelpful)
Aqui fica, pois, à vossa consideração.
Cordiais saudações.

Zé Dias da Silva disse...

Por incrível que pareça, não encontro o livro; tenho-o por aí mas não sei onde.
Mas recordo-me do episódio do autocarro e sempre o achei estranho, despropositado.
Agora compreendo.
Obrigado.